24
Out

A Região Autónoma da Madeira tem necessidade em especialistas na área da terapia da fala. Actualmente, existem 23 profissionais, um número que se tem revelado insuficiente para dar resposta aos pedidos da educação especial e reabilitação e da área da saúde.
A referência foi feita ontem pelo secretário regional de Educação e Cultura, Francisco Fernandes, durante a sessão de abertura das I Jornadas de Terapia da Fala da Região Autónoma da Madeira, que ontem decorreram no auditório do Arquivo Regional da Madeira.

Perante uma plateia de terapeutas da fala, mas também de educadores e de profissionais da área da saúde, Francisco Fernandes recordou que a especialidade já é desenvolvida na Madeira há 25 anos, mas «actualmente não existem muitos terapeutas». De acordo com o governante, estão nos quadros dos Assuntos Sociais 14 técnicos, oito estão na Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação e há um outro terapeuta que desenvolve o seu trabalho na Associação de Paralisia Cerebral.

A Secretaria Regional de Educação e Cultura em 2000 e 2004, atenta à necessidade destes profissionais, abriu concurso para a especialidade, mas não houve candidatos. Para Francisco Fernandes, esta situação cria expectativas «optimistas» a quem escolhe a especialização em terapia da fala.

E esta necessidade de contratar mais terapeutas da fala na Região é justificada pelo governante com o facto de haver uma integração progressiva dos alunos que estavam em instituições especializadas, nas ecolas normais. Além disso, está a ser desenvolvido o programa de intervenção e detecção precoce de problemas na fala já no infantário e pré-escolar, porque as necessidades «quanto mais cedo forem detectadas, mais cedo serão superadas». «De modo que esta área tem se mostrado cada vez mais uma necessidade no apoio técnico que, quer a saúde, quer a educação entendem dever prestar aos utentes», referiu Francisco Fernandes.

Jornadas assinalaram 25 anos de trabalho

A assinalar os 25 anos de existência do trabalho dos terapeutas da fala na Madeira, uma comissão composta por vários profissionais organizou as I Jornadas de Terapia da Fala na Região, sob o tema “Vinte e Cinco anos, um percurso, novos rumos”.

Na sessão de abertura, que decorreu no auditório do Arquivo Regional da Madeira, a coordenadora da terapia da Fala da Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação, Conceição Vital, adiantou que as jornadas foram um momento de debate e partilha em áreas multidisciplinares. O programa do encontro de trabalho teve como objectivo abordar as diferentes áreas de intervenção da linguagem, fala, motrocidade orofacial e ainda de comunicação.

Na oportunidade, salientou o trabalho desenvolvido pelo primeiro terapeuta da fala na Madeira, Eleutério de Aguiar, que iniciou o seu trabalho na Direcção Regional de Educação Especial em 1983.
Conceição Vital sublinhou ainda o facto de haver cada vez mais pessoas a recorrerem aos terapeutas da fala, apesar de haver poucos técnicos.



Jornalista : Marília Dantas


Esta notícia já foi consultada 1850 vezes
 
Publicidade