26
Fev

Catorze anos após a Declaração de Salamanca a Educação Inclusiva era ainda um conceito muito distante para muitas escolas e professores. As práticas nas escolas ao longo da Europa variam desde a integração parcial de alunos até à inclusão total. As crianças oriundas das escolas de ensino especial têm acesso a currículos diferenciados. Algumas continuam a frequentar escolas de educação especial enquanto outras frequentam as escolas regulares sendo integradas na vida dessas escolas. Por outro lado, outras estão no ensino regular participando apenas em aulas seleccionadas em função das suas aptidões. A inclusão efectiva exige que se desvie o foco da atenção da criança para a escola e a sua comunidade.

As práticas inclusivas requerem que o professor amplie os seus horizontes e perspectivas implicando maior colaboração e trabalho de equipa na escola. Vivenciar a inclusão representa uma mudança radical no ensino. Modificar o modo de ensinar é o objectivo do projecto.

O objectivo da Comunidade Europeia será a inclusão completa. Porém, as leis nos vários paí­ses europeus variam, o que faz com que as escolas dos vários paí­ses parceiros no projecto estejam em diferentes níveis deste processo.

O projecto IRIS (Improvement through Research in Inclusive Schools) tem o objectivo de melhorar as escolas de forma a que estas possam progressivamente caminhar em direcção à inclusão. É para ajudá-las a ser mais eficientes e, portanto, mais efectivas.

Nesta Conferência Internacional apresentaremos o projecto IRIS e os seus produtos. Especificamente, apresentaremos materiais de avaliação das práticas dos professores - Aide memoir and bookmark - e uma reflexão global acerca dos planos educativos individuais nas escolas Europeias. Além disso, apresentaremos propostas para a formação de professores baseadas em práticas inclusivas e uma Webpage de suporte à disseminação dos pacotes e materiais desenvolvidos.


Esta notícia já foi consultada 2697 vezes
 
Publicidade