2
Jan
A abertura por parte do Executivo em relação a problemática das pessoas portadoras de deficiência e a recolha de contribuições para o enriquecimento da Lei de base do portador de deficiência constituiu o destaque do ano findo sobre a assistência e solidariedade para com os mais necessitados.

Este ponto de vista foi manifestado pelo presidente da Federação Angolana das Associações de Portadores de Deficiência (FAPED), Silva Lopes Etiambulo, em entrevista de balanço à Angop, em Luanda, tendo referido que em 2010 registou-se por
parte do Executivo uma maior sensibilidade em relação a problemática dos deficientes físicos.

Neste contexto, ao longo do ano findo pode-se afirmar que as pessoas com deficiência mereceram mais atenção por parte dos governantes, especialmente o Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social que financia o projecto "Vem
Comigo".

Este projecto está virado para a integração das pessoas no mercado do trabalho e reabilitação física.

De acordo com Silva Lopes Etiambulo, não poderia deixar de mencionar o Minars que também levou a cabo acções com vista a reintegração, no mercado do trabalho, de pessoas com deficiências congénitas, assim como na distribuição de triciclos, moto-taxis e a criação de serralharias, barbearias, engraxadoras, entre outras.

O Ministério da Educação contribuiu com a implementação do ensino especial para pessoas com deficiência, o qual tem dado os seus frutos positivos, bem como o Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria que continuou com o pagamento da pensão aos deficientes de guerra.

Destaque, entre os governos provinciais, para o Bié que cedeu uma vasta parcela de terreno para a prática da agricultura, o que permitiu a constituição de uma cooperativa agro-pecuária beneficiando cerca de 50 famílias de portadores de deficiência, bem como o Huambo e Huíla.

Quanto ao movimento associativo, houve grande aderência nos centros integrados das províncias do Bié, Huambo e Uíge.

No ano findo, 750 deficientes de guerra residentes no município de Viana, em Luanda, beneficiaram de kits de roupa, numa oferta da Rádio Viana, afecto a RNA, facto que, segundo Silva Etiambulo, demonstra uma maior sensibilidade dos vários organismos em relação a problemática das pessoas dessa camada social.

Outro destaque foi a acção levada a cabo pela Assembleia Nacional, através da sua sétima comissão, que levou a cabo uma série de encontros para buscar contribuições que permitam em breve a aprovação da Lei de Base das pessoas portadoras de
deficiência.

Em relação a eliminação das barreiras arquitéctónicas, Silva Etiambulo referiu que no ano findo uma grande quantidade de organismos públicos construíram rampas de acesso, com destaque para o Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, assim como o Minars e se verifica que muitos dos bancos já assim procederam.

A nível de Angola, no que concerne ao Projecto Vem Comigo, foi um ano difícil devido aos poucos apoios financeiros que recebeu dos vários organismos, facto que, segundo o interlocutor da Angop, não impediu que mil e 700 famílias fossem reintegradas no processo produtivo, em actividades agrícolas, corte e costura e fabrico de blocos.


Esta notícia já foi consultada 2836 vezes
 
Publicidade