11
Mar

À margem do IV Encontro Coração e Família, a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) critica o programa de prevenção das doenças cardiovasculares do Ministério da Saúde.

Para Lopes Gomes, cardiologista e presidente da delegação Norte da FPC “seria possível reduzir drasticamente o número de mortes por doenças cardiovasculares em 60 a 70 por cento se existisse uma prevenção eficaz. Contudo existe uma falta de divulgação sobre o assunto que nos inquieta”.

Com os objectivos de alertar a população para a prevenção das doenças cardiovasculares e promover a aproximação entre doentes e profissionais de saúde, a FPC apela à colaboração de todos para a implementação e execução efectiva do Plano Nacional de Prevenção Cardiovascular.

“No ano de 2010 cerca de 40 por cento dos portugueses deveriam ter acesso a um programa de prevenção. No entanto, Portugal está, neste aspecto, como há 10 anos atrás em que apenas 3 a 4 por cento da população pode recorrer a este tipo de medidas”, alerta o cardiologista.

As doenças cardiovasculares representam a principal causa de morte no país e são também uma importante causa de incapacidade. Os hábitos de vida adoptados por grande parte da população, tais como o sedentarismo, a falta de actividade física diária, uma alimentação desequilibrada ou o tabagismo, constituem hoje factores de risco a evitar.

O IV Encontro Coração e Família termina no dia 12 de Março, onde serão abordados temas como o papel fundamental do diagnóstico das arritmias cardíacas, Pacing cardíaco e a prevenção da morte súbita. O evento está a decorrer no Hotel Solverde SPA, em Vila Nova de Gaia.

Esta notícia já foi consultada 2345 vezes
 
Publicidade