11
Mai
Dia Mundial da Hipertensão Associada à obesidade e ao sedentarismo, a hipertensão arterial é uma doença que normalmente não dá sintomas, podendo manifestar-se por complicações graves, como o acidente vascular cerebral ou o enfarte agudo do miocárdio. Uma vez diagnosticada, o tratamento desta doença passa por alterar o estilo de vida, corrigir fatores de risco e pela terapêutica farmacológica. Em Portugal, cerca de 3 milhões de pessoas são hipertensas, a maioria das quais não apresentam valores tensionais controlados, apesar de uma evolução favorável verificada nos últimos anos.

´A redução do excesso de peso, a diminuição do consumo de sal e de álcool, evitar alimentos salgados ou ricos em gorduras e açúcar e a prática regular de exercício físico, pelo menos três vezes por semana, podem, em muitos casos, ser suficientes para o controlo da hipertensão arterial, evitando assim a terapêutica farmacológica e reduzindo o risco de complicações graves. No entanto, a maioria dos doentes refere ter muitas dificuldades em adotar um estilo de vida saudável apesar da gravidade da doença´, diz Severo Torres, coordenador da Unidade de Cardiologia do Hospital Lusíadas Porto.

O diagnóstico precoce é fundamental até porque ´a hipertensão poderá ser reversível se forem identificadas e corrigidas as causas desencadeantes e adotadas as medidas terapêuticas adequadas´, explica o cardiologista.

Se a doença não for tratada ´a pressão arterial elevada pode causar alterações do ritmo do coração e da sua estrutura, contribuindo para o desenvolvimento, a longo prazo, de insuficiência cardíaca. Ao provocar lesões na parede das artérias, aumenta o risco de enfarte agudo do miocárdio e constitui o principal fator de risco para o acidente vascular cerebral´, alerta Severo Torres.

Os exames necessários para investigar o estado de saúde cardiovascular do doente hipertenso e para definir o seu grau de risco, dependem de uma avaliação clinica prévia em consulta médica. Para o despiste de outros fatores de risco cardiovascular e de eventuais repercussões sobre os chamados órgãos-alvo (coração, cérebro, rim, retina), que podem estar já atingidos pelo processo da hipertensão arterial, serão necessários exames complementares, que devem incluir um estudo analítico completo e um eletrocardiograma, podendo ser necessário o recurso a outros exames como, ecocardiograma, prova de esforço, eco-doppler vascular arterial, tomografia axial computorizada e ressonância magnética nuclear.

Sobre a Lusíadas Saúde:
Lusíadas é uma marca que abrange Hospitais e Clínicas de norte a sul do país. Em 2014, a Lusíadas Saúde foi eleita pelo 2º ano consecutivo “Escolha do Consumidor”. O seu principal foco é cuidar dos seus clientes. A Lusíadas Saúde faz, por ano, cerca de 700.000 consultas, mais de 280.000 atendimentos urgentes, cerca de 30.000 cirurgias e mais de 4.100 partos. Para mais informações consulte: www.lusiadas.pt

Informações adicionais: LPM Comunicação

Esta notícia já foi consultada 29144 vezes
 
Publicidade